domingo, 21 de dezembro de 2014

Significado da vida

Disse um dia alguém muito sábio ''se estamos aqui a viver é por alguma razão: ou para morrer de velhice ou para morrer atropelado''

terça-feira, 16 de setembro de 2014

o regressar da desvontade

 E que me vejo aqui nesta situação, me suprimindo de desvontade e forçando a loucura a assentar.  Bem que à algum tempo temia que chegasse de volta a densa penumbra temporal que absorve a essência do Eu, funcionando também como um empurrão da existência para o centro do buraco negro que se me surge nestes tempos.
 Claro que a culpa é minha, visto que todo este universo co-existe comigo e ao mesmo tempo é comigo um todo; alimentado por letras numa lista de desejos, sempre que a vontade não é saciada em tempo útil.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Mais um ciclo que se fecha...
 Sinto dificuldade em existir, e o acontecer ainda mais longe do meu alcance me parece. A ver se a Existência me facilita a vida e me fornece as ferramentas necessárias para uma passagem mais soft no próximo ciclo.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Paradoxo do Tempo

 Existe algo mais concreto e subjectivo ao mesmo tempo? Sinceramente não sei responder, apenas tentar compatibilizar todo este mistério numa panóplia de opiniões que convergem num mesmo referencial formando assim uma teoria.
Que sirva a seguinte imagem como auxilio dos meus pensamentos. Tem-se portanto o referencial deslocado para o quotidiano para que se possa manusear o mistério ao ponto de se chegar a conclusões.

 

 Se uma hora é sempre 60 minutos mas essa mesma hora passa mais rápido ou mais lentamente, quer estejamos na aula de analise matemática quer estejamos no cinema, como é possível não deturpar este ''axioma'' que é o facto de 1 hora serem meros 3600 segundos?
 Que significado tem então ''aproveitar o tempo'' ? Visto que aproveitar o tempo, é fazê-lo passar mais depressa como é isso aproveita-lo? E como é que se ''perde tempo'', visto que cada segundo que passa estamos simplesmente a aproximarmo-nos da morte? Serão os vícios desnecessários que possuímos que alteram essa linha, tornando-a mais curta? Ou aquelas actividades cuja natureza nos trás nada mais nada menos do que uma mísera nulidade à nossa existência. Concordemos que estamos na presença de um paradoxo: quanto mais ''aproveitamos o tempo'' mais rápido este passa e logo o ''estar entretido'' não é mais do que achar uma maneira mais rápida de morrer...
Agora pensa.

domingo, 13 de abril de 2014

Primeira entrada

Este blog não se destina a ti que estás a ler, nem para mim que estou a escrever...
Destina-se à minha mente, para que possa fugir.
 E que fuja por favor, pois na prisão de sentimentos que hoje vivo, que se salve a minha sanidade mental, por esta janela que hoje abro.